O Azul tão perto

Carrego a alma pesada,

mas entro neste jardim,

e do peso aliviada,

entro num espaço sem fim…

A brisa soprando as folhas,

as folhas dançando em mim,

o céu azul entre os ramos

começam falando assim:

― “És tão leve como as plantas,

é em ti que paira o dia.

Sobes no ar quando cantas,

como faz a cotovia…

Há em ti um chão sereno

onde vês, maravilhada,

subir o trevo pequeno

e a erva delicada.

E depois, se ergueres os olhos,

e olhares o azul do céu,

a tua alma se alarga,

se alarga, pois percebeu:

Ah! Como o azul está perto,

e sorri desta maneira!

Vive em ti o Espaço Aberto,

e chama-te a vida inteira !!”

 

Luísa Barreto

Pelo caminho das fadas

Lisboa, C.L.U.C., 1997



%d bloggers like this: