Archive for the 'crianças' Category

O papagaio de papel

texto-e-imagem-seb.jpg 

Queres dar voz ao papagaio de papel de que nos fala o poema? Pensa na sua inquietação, nos seus sonhos, na sua ânsia de fugir…

Anúncios

O berlinde

a-pomba.jpg

 

És capaz de imaginar qual o segredo que a estrela queria dizer ao Mundo?

Não te assustes

nao-te-assustes-copy.jpg

 

 

Golo

 

Os meninos

Que jogam à bola na minha rua

Jogam com o Sol

E os pés dos meninos

São pés de alegria e de vento

A baliza uma nuvem tonta

À toa

Na luz do dia

E eu olho os meninos e a bola

Que voa

E ouço os meninos gritar: Go…o…lo!…

E não há perder nem ganhar

Só perde quem os olhos dos meninos

Não puder olhar

Matilde Rosa Araújo

Mistérios

Lisboa, Livros Horizonte, 1988

Quem são, a teu ver, aqueles que não podem olhar “os olhos dos meninos”?

Balõezinhos

baloes-poema-copy.jpg 

Manuel Bandeira

Antologia Poética

Rio de Janeiro, José Olympio, 1989

Por que motivo, ali na feira, os balõezinhos de cor são a “única mercadoria útil e verdadeiramente indispensável” para os meninos pobres?

Pelo sonho é que vamos

pelo-sonho-que-vamos.JPG

Pelo sonho é que vamos,
comovidos e mudos.

Chegamos? Não chegamos?

Haja ou não haja frutos,
pelo sonho é que vamos.
Basta a fé no que temos,
basta a esperança naquilo
que talvez não teremos.
Basta que a alma demos,
com a mesma alegria
ao que desconhecemos
e ao que é do dia-a-dia.

Chegamos? Não chegamos?

─ Partimos. Vamos. Somos.

Sebastião da Gama
Pelo sonho é que vamos
Lisboa, Ed. Ática, 1992

História aberta

historia-aberta.jpg

História aberta

Era uma vez uma casa

Muito grande

Com um tecto sem fim

Nem sempre azul

Uma casa enorme

Onde habita uma grande família

Uma família tão grande

Que os seus irmãos julgam que não se conhecem

E todos se conhecem

E todos se devem amar

Nesta casa há guerra

E eu choro a um canto desta casa

Inútil choro

É terrível ouvir este próprio chorar

Matilde Rosa Araújo

Mistérios

Lisboa, Livros Horizonte, 1988