Archive for the 'escola' Category



Quatro mil soldados

quatro-mil-soldados-copy.jpg

Os 4.000 soldados caminham pela estrada fora, indiferentes à beleza da vida. Para onde pensas que se dirigem?

Anúncios

Aquário

Vivia no mar largo

e era feliz

feliz.

Sabia os sítios seguros

onde os maiores e mais duros

não podiam atacar

não o podiam caçar

não o podiam comer.

E continuava a viver.

Quando nadar o cansava

uma alga procurava

e dormia um bocadinho

e a onda que o embalava

era amiga do peixinho.

A onda amiga ondulava

enquanto o acalentava

aquecia

arrefecia

e para longe o levava.

Tão longe

tão vasto o mundo…

o seu mundo!

Tão largo, alto e profundo!…

Que alegria de nadar!

Mas um dia aconteceu

que um fenómeno se deu:

foi pescado

foi levado

para fora do seu mar

para longe do seu lar

transportado

bem fechado

numa prisão de cristal.

E

se não lhe fizeram mal

se o não comeram com sal

está muito descontente

nessa prisão transparente

à vista de toda a gente.

Alice Gomes

Bichinho Poeta: Poesia (também para crianças)

Lisboa, Gráfica Santelmo, 1973

Paz de musgo

No seu mundo de erva fresca

Dona lagarta verdinha

Mastiga couves e sol

E sente-se uma rainha.

Rainha de corpo verde

Do prado verde, rainha!

Mastiga couves e sol

Dona lagarta verdinha.

Tua paz de musgo verde

Teu manto de princesinha

Quem nos dera! Quem nos dera

Dona lagarta mansinha!

Maria Rosa Colaço

Versos diversos para meninos travessos

Odivelas, Europress, 1994

Quando eu nasci

quando-eu-nasci-copy.jpg

Quando eu nasci,

ficou tudo como estava,

nem homens cortaram veias,

nem o Sol escureceu,

nem houve Estrelas a mais…

Somente,

esquecida das dores,

a minha Mãe sorriu e agradeceu.

Quando eu nasci,

não houve nada de novo

senão eu.

As nuvens não se espantaram,

não enlouqueceu ninguém…

Pra que o dia fosse enorme,

bastava

toda a ternura que olhava

nos olhos da minha Mãe…

Sebastião da Gama

Serra-Mãe: poemas.

Lisboa, Ed. Ática, 1996

A propósito de mãe e poesia…

A propósito de mãe e poesia…

copia-de-mae.jpg

Maria Alberta Menéres, a propósito do seu livro O poeta faz-se aos 10 anos, relata uma situação de aula em que a mãe era o tema sobre o qual os alunos tinham de escrever. Observa os resultados dessa aula.

Um tema difícil: a mãe

Há tanta coisa a dizer e parece que não se consegue dizer nada. A emoção sobrepõe-se ao pensamento. É sempre assim quando se propõe que escrevam sobre a mãe. Dolorosa e concentrada se pressente então a escrita. Mas reparo: sempre de uma beleza e de um insólito, por vezes insuspeitados.

Motivação:

Lembro-lhes que a mãe pode estar em tudo o que se vê, se a quiserem ver. Como a poesia: na parede branca, no mar, nas escamas do peixe a brilhar ao sol, no sol, no ar, nas pedras, até nas palavras que a caneta desenha no papel, no giz branco que escreve no quadro a palavra mãe. A mãe ou a imagem da mãe. Tal como acontece com a poesia, do olhar para as coisas de todos os dias podemos extrair um sentido que é presença ou saudade.

Escreveu o Raul:

Os olhos da minha mãe são como as escamas
Os olhos da minha mãe são como as escamas
reluzentes dos peixes do mar.
O mar é o seu corpo
e o seu coração é o Sol.
Os seus cabelos são como as penas de um galo,
a sua boca é suave como o vento
as suas mãos são finas como areia.
Os seus dentes são de marfim.
O meu amor por ela é tão grande
que nem posso dizer.

O maroto do Salgueiro, que até nem é feio, saiu-se com este pequeno poema:

Mãe, como tu és bela.
Já me disseram
Que sou parecido contigo.
Este dito me consola,
porque me acho feio.
Mas se sou parecido contigo,
como posso ser feio?
Mãe, mãe, eu sou bonito
porque tu és bela.

Os livros

os-livros-copy.jpg

O caçador de borboletas

o-cacador-de-borboletas-copy.jpg